Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Travel is always a good idea

Travel is always a good idea

Costa Vicentina - Dia 3, de Zambujeira do Mar a Odeceixe

O nossa viagem de carro ao longo da Costa Vicentina, levou-nos até Zambujeira do Mar, percorrendo todo o caminho de falésias e menor quantidade de praias devido ao declive existente nas costas, fomos atravessando estradas mais vazias, com muito menos movimento de carros, mais vegetação e muito paz. Ainda no concelho de Odemira, Zambujeira do Mar é uma pacata vila entre praias que pertence ao Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

 

30.JPG

 

31.JPG

( Zambujeira do Mar )

 

Ao chegar, encontrámos facilmente o nosso alojamento porque se localiza no final da principal avenida na direção ao mar, antes da bifurcação final. Ficámos alojados no Monte das Alpenduradas, local mais do que perfeito para acolher turismo rural, a sua localização fora do centro de Zambujeira do Mar permite um ambiente calmo e relaxado, o pequeno almoço com pão alentejano e produtos confecionados na quinta tornam a experiência ainda melhor e o facto de ter uma piscina exterior e uma piscina interior aquecida dão o remate final. Para nós que tínhamos intenção de descansar durante esta viagem ao longo do litoral alentejano foi uma das melhores opções de alojamento que encontrámos, com um preço / qualidade acessível.

 

32.jpg

( Monte das Alpenduradas )

 

33.JPG

( Zambujeira do Mar )

 

Para alimentação no centro da Zambujeira do Mar há muitas opções, desde as mais turistas a mais requintadas e para todos os preços, por lá é também agradável fazer umas caminhadas e conhecer um pouco melhor toda a zona central e vistas para o mar. A 15 de Agosto celebram-se todos os anos os festejos em honra da Nossa Senhora do Mar, junto principalmente da Igreja Nossa Senhora do Mar.

 

34.JPG

( Igreja Nossa Senhora do Mar )

 

35.JPG

 

A cidade de Zambujeira do Mar ficou também conhecida nos últimos anos por acolher na Herdade da Casa Branca o Festival Sudoeste, que atraí milhares de jovens, para dias de muita animação que fazem a cidade sentir essa presença. Durante a noite vários concertos de artistas e bandas conhecidas e durante o dia vários autocarros levam os festivaleiros até ao centro da Zambujeira do Mar para aproveitarem o sol e praia. A principal e mais central é a Praia de Zambujeira do Mar, conhecida pela sua beleza e pela prática de bodyboard. E ao redor a Praia dos Alteirinhos, Praia Nossa Senhora e a Praia do Tonel. 

 

36.JPG

 

37.JPG

 

Após sairmos do centro de Zambujeira do Mar percorremos o caminho entre planícies alentejanas, próximo do litoral há uma grande zona com estufas e infraestruturas onde é semeado muitos vegetais entre outros e o girassol junto à estrada é o sinal para virar à direita, embora hoje em dia o GPS ajude bastante, não foi difícil lá chegar, à entrada da famosa casa de praia da fadista Amália Rodrigues. Estacionámos o carro naquela zona e percorremos todo o caminho pelo mato a dentro até chegar à Praia da Amália, homenagem à fadista.

 

38.JPG

 

39.jpg

( Praia da Amália )

 

Continuámos o nosso caminho e só virámos ao chegar perto da zona que nos levaria à Praia de Odeceixe que marca o fim do distrito de Beja e o inicio de Faro. É uma praia com um extenso de areal junto à estrada que faz o rio que desagua na Foz de Odeceixe contornar todo o areal. Após um excelente almoço com uma vista privilegiada, aproveitámos a tarde de sol para mergulhar no mar e novamente tirar proveito da natureza e ambiente alentejano. 

 

40.jpg

( Praia de Odeceixe )

 

41.JPG

 

No percurso deste terceiro dia muitas foram as praias que ficaram para trás sem que pudéssemos ver as suas maravilhas, tais como a Praia do Alvorião, a Praia do Carvalhal, a Praia dos Machados, a Praia da Azenha do Mar, a Praia da Quebrada, a Praia da Esteveira, a Praia do Vale dos Homens e a Praia da Amoreira. Nesta zona da costa vicentina ao contrário do segundo dia há muitas praias por isso é virar quando lhe apetecer e ir à descoberta.

 

42.JPG

( Praia de Zambujeira do Mar )

 

43.JPG

 

Boa viagem !

 

Booking.com

 

LINKS: PARTE 1PARTE 2 |

 

Costa Vicentina - Dia 2, de Vila Nova de Milfontes ao Cabo Sardão

Continuando a nossa viagem pela Costa Vicentina, após passarmos a zona de Sines e do Porto Covo descemos até Vila Nova de Milfontes, freguesia do concelho de Odemira, distrito de Beja. Ao chegar e antes de procurarmos o hotel fomos dar uma volta pela foz do rio Mira e pelo forte de Milfontes, uma construção militar para ajudar na defesa de ataques via mar. Esta cidade é conhecida pelos acampamentos de jovens e adultos, com facilidade de acesso a locais como a Praia da Franquia, a Praia do Carreiro das Fazendas e a Praia do Farol.

 

15.JPG

 

16.JPG

( Pescadores em Vila Nova de Milfontes )

 

Ficámos alojados no Hotel HS Milfontes Beach, um hotel muito conhecido no centro da vila com uma vista sobre toda a foz, privilegiado devido à sua localização próxima do mar, próxima do centro antigo da cidade e com umas merecidas três estrelas. Fiquei surpreendido com o preço / qualidade que este hotel oferece, dado à sua localização, pequeno almoço de boa qualidade, estacionamento próximo e gratuito e ainda a possibilidade de ter piscina no interior do hotel com acesso fácil desde os quartos. 

 

17.JPG

( Vista panorâmica do Hotel HS Milfontes Beach )

 

18.JPG

( Igreja de Nossa Senhora da Graça )

 

Em Vila Nova de Mil Fontes, também muito famosa por turistas que gostam de acampar, há possibilidades inúmeras para diversão, aproveitar o mar de várias formas, desde a praia a vários desportos náuticos, que um rio e foz dão a oferecer. Há noite no centro da vila, ao redor da Igreja de Nossa Senhora da Graça vários artesãos apresentam alguma da sua mostra, muitos cafés acolhem os turistas e locais e há muito movimento principalmente há noite quando o convívio é maior.

 

19.JPG

 

20.JPG

 

Se viajar para o Alentejo significa ter umas férias calmas e em sossego, também nos lembra à boa gastronomia que por lá nos é apresentada. De muitas refeições que fizemos, fica-me na memória um almoço onde optei pela típica carne de porco alentejana que foi surpreendentemente bem servida e também recomendar em Vila Nova de Milfontes uma ida ao Restaurante Ritual, próximo do centro, com um serviço e decorações excelentes e com opções vegans, importante porque a minha amiga é vegan e é sempre bom encontrar por onde passamos bons restaurantes com essas possibilidades na ementa.

 

21.JPG

( Estátua do Arcanjo )

 

22.JPG

( Rio Mira )

 

Depois de passarmos a zona de Vila Nova de Milfontes, percorremos todo o litoral, nesta zona em estradas mais interiores, até chegarmos a Almograve e aí percorrendo o caminho até à Praia de Almograve, a cerca de quinhentos metros da localidade de Almograve. A Praia de Almograve tem um litoral extenso, propicio a um dia espetacular de praia, com boas condições para isso e em dias de maré baixa parece uma zona de piscinas naturais com várias rochas a rodear a água entre o areal e o mar. 

 

dia 2 (21).JPG

( Praia de Almograve )

 

dia 2 (22).JPG

( Praia de Almograve )

 

Entre Almograve e Zambujeira do Mar, é possível visitar de carro o Cabo Sardão, mesmo de longe começámos a ver o farol do Cabo Sardão e por isso é seguir sempre a estrada e estacionar. Ao chegar a esta zona a paisagem muda radicalmente, a zona costeira deixa de ser plana e termina com imponentes escarpas a pique, criando uma rebentação forte das ondas. Em cima, na zona onde é possível fazer uma caminhada a vegetação é rasteira e verdejante. O farol construído em 1915 foi o nosso ponto de partida e chegada e por ali caminhámos sem qualquer direção, aproveitando a paisagem relaxante e introspetiva. 

 

25.JPG

( Farol do Cabo Sardão )

 

26.JPG

( Cabo Sardão )

 

Infelizmente neste segundo dia da nossa viagem ao longo da costa vicentina, o sol escondeu-se o que tornou fácil a nossa decisão de percorrer várias praias ao longo da costa, fazer mais caminhadas e deixar o nosso tempo de praia para os dias seguintes. Desde Vila Nova Milfontes onde é possível veranear na Praia das Furnas, mais abaixo a Praia do Cavalo, a Praia do Cavalo, a Praia do Brejo Largo, a Praia da Barca Grande, a Praia de Cavaleiro, a Praia do Tonel e o Porto das Barcas embora todas estas praias sejam de acesso mais difícil porque realmente esta zona do litoral é cheia de escarpas e algumas destas praias só se conseguem chegar após longas caminhadas a pé.

 

27.JPG

 

28.JPG

 

29.jpg

( Cabo Sardão )

 

 

Boa viagem !

 

Booking.com

 

LINKS: PARTE 1

 

Costa Vicentina - Dia 1, o início da aventura até Porto Covo

A Rota Vicentina é um percurso pedestre ao longo da costa sudoeste de Portugal que promove através de um turismo de natureza toda esta zona costeira. Esta rota resulta de uma seleção de caminhos rurais e costeiros, para usufruto pleno desta área litoral, que se encontra muito bem conservada, no que respeita à paisagem, aos valores naturais e ambientais, à cultura e tradições. A Rota Vicentina é formada por dois diferentes percursos, o Caminho Histórico com cerca de 230 km que percorrem as vilas rurais e aldeias ao longo da costa litoral, incluindo doze etapas e o Trilho dos Pescadores com cerca de 120 km, num ambiente somente costeiro com quatro etapas que apenas é possível fazer a pé, pois atravessa falésias e locais onde carros não chegam. 

 

1.JPG

( Sinalética do Trilho dos Pescadores )

 

Quando comecei a pensar fazer a Costa Vicentina, não tinha noção da quantidade de praias e aldeias que a zona sudoeste de Portugal têm, após algumas pesquisas selecionámos quatro vilas principais para pernoitar - Sines, Vila Nova de Mil fontes, Zambujeira do Mar e Aljezur - e o restante percurso seria feito aleatoriamente consoante a nossa vontade ou pontos interessantes ao nosso redor. Também estar com um carro é uma mais valia, não depender de autocarros ou de grandes percursos pedestres para nos deslocarmos facilitou-nos a vida. Mas claro que a original rota vicentina é um percurso pedestre, nós é que por não sermos adeptos de longas caminhadas optámos por fazer praia, aproveitar das paisagens numa esplanada e conhecer vários locais no mesmo dia.

 

2.JPG

 

Decidimos fazer a rota vicentina com sentido de norte para sul, começando em Sines, uma cidade no distrito de Setúbal já na região do Alentejo. Sines é dividido pela freguesia de Sines e a freguesia de Porto Covo, sendo que no litoral, na zona da Praia de São Torpes começa o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. E assim começou a nossa aventura chegando já ao final do dia à cidade de Sines, uma cidade pacata, muito desenvolvida a nível industrial mas com uma zona centro com muito sossego e propicia a algumas relaxantes caminhadas.

 

3.JPG

( Praia Vasco da Gama )

 

Na nossa primeira noite ficámos alojados, eu e a minha melhor amiga e companheira de viagem, no Hotel Veleiro que como habitualmente faço foi reservado através do Booking, um hotel com estacionamento fácil de conseguir e gratuito, à entrada é nos facultado alguma informação sobre a cidade de Sines e sugestões de restaurantes. Nós tivemos a sorte de ficar num quarto com varanda e vista sobre a baía de Sines, diretamente para a Praia Vasco da Gama. O pequeno almoço é agradável e servido numa sala decorada em estilo náutico, bem como de resto todo o hotel têm. A localização é perfeita, perto do centro e a dois minutos a pé da praia.

 

4.JPG

 

A cidade de Sines é a terra natal do navegador Vasco da Gama e por isso ao longo da cidade é possível ver várias zonas em sua homenagem como é de exemplo a Estátua perto do Castelo de Sines e a Praia Vasco da Gama, na qual fizemos praia. A praia está muito bem conservada, limpa e é agradável para banhos porque tem um formato de baía e quase não tem ondas. Apesar da nossa viagem pela Costa Vicentina ter sido feita no verão, achámos a cidade de Sines calma de mais, com pouco movimento à noite principalmente na marginal onde faltam cafés e esplanadas. Aproveitámos a nossa passagem para jantar no Restaurante Cais da Estação que recomendo vivamente a experiência gastronómica, pelo serviço requintado, ambiente especial e comida saborosa.

 

5.JPG

( Porto de Sines )

 

6.JPG

( Avenida Vasco da Gama )

 

Na mesma zona que a Praia Vasco da Gama, está a Praia de São Torpes, um extenso areal de areia fina que é procurada por surfistas e muitos turistas, com bastante estacionamento e zonas de fácil acesso, também naquela praia aproveitámos para dar um mergulho e bronzear com num dia lindo de sol. Conta a lenda que naquela praia deu à costa morto o santo e mártir da igreja católica, São Torpes, mas essa mesma lenda também associada à região do sul de França, Saint-Tropez na Riviera Francesa. Certo é que ambas deram origem ao nome das praias. Atualmente e por coexistir um complexo energético próximo da praia, a água do mar é aquecida e isso é notório mal se entra no mar. 

 

7.jpg

( Praia de São Torpes )

 

8.JPG

( Praia de São Torpes )

 

Após um mergulho na Praia de São Torpes, lançámos-nos à estrada e começámos a descer rumo ao sul e digo aqui que fazer o litoral alentejano é muito fácil, com ou sem GPS, embora seja quase impossível de alguém se perder, está tudo bem localizado, as estradas são antigas e algumas com muitos buracos, mas faz-se bem. Após passar então a zona de Sines há a Praia da Pelengana, a Praia de Morgavel, a Praia dos Aivados, a Praia da Vieirinha, a Praia da Oliveirinha, a Praia da Foz, a Praia dos Canudos, a Praia do Burrinho e a Praia da Samoqueira. Umas melhores que outras mas todas excelentes opções para um dia relaxado ao sol.

 

9.jpg

( Praia dos Buizinhos )

 

10.jpg

( Praia Pequena )

 

Ao chegar a Porto Covo, entramos no Alentejo rural, diria eu o verdadeiro Alentejo, na estrada cada vez menos casas, ambiente mais natural e ao chegar a Porto Covo uma pequena aldeia plana com casas brancas e as típicas barras, muitas dela de azul a contornar a casa. Também neste destino há muitas praias espetaculares, a Praia Grande uma das mais procuradas pelos turistas e locais, a Praia Pequena, a Praia dos Buizinhos, a Praia do Espingardeiro e a Praia do Banho são muito mais pequenas mas que tornam a experiência fora do normal e muito agradável. Nós acabámos por fazer praia na Praia do Banho acessível a pé desde o centro da aldeia e foi uma tarde muito divertida entre rochas e num areal e águas relaxantes.

 

11.jpg

( Praia do Banho )

 

12.jpg

 

Também famosa naquela zona é a Ilha do Pessegueiro, sobejamente conhecida na minha cabeça devido à música do Rui Veloso. É visível da costa do Porto Covo e ainda apresenta um velho forte do século XVII, muralhas e portas da época romana. Esta e toda a zona de Porto Covo apresentam uma beleza excecional e proporcionam umas férias pacificas e para mim de luxo a qualquer turista. Abaixo pode visitar a Praia do Queimado, a Praia da Cruz, a Praia do Malhão, a Praia do Burdo até que chegue finalmente a Vila Nova de Milfontes.

 

13.jpg

( Ilha do Pessegueiro )

 

14.jpg

 

Boa viagem !

 

Booking.com

 

POSTS: PARTE 2 |

 

Sou o Ricardo Costa

28 anos

Optometrista em Full-time

Viajante em Part-time

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Reservar hotel ?

Booking.com

Alugar carro ?

Por onde andei ?

ALEMANHA







FRANÇA















INGLATERRA



ITÁLIA









MÓNACO



PORTUGAL





VATICANO



SUIÇA




RUBRICAS



Comentários recentes

  • Rita

    Desses locais já só me falta o Cap D'Ail antes de ...

  • Serrão

    Obrigado eu pela partilha destas viagens e por nos...

  • Ricardo Costa

    Olá! Visitar a Riviera Francesa foi espetacular e ...

  • Serrão

    A Riviera Francesa é mesmo magnífica. Um cruzeiro ...

  • Ricardo Costa

    E tenho para mim que todos os que vivem em Cannes,...

Follow me on Instagram

subscrever feeds

Mais sobre mim

foto do autor